Reciclagem de lixo orgânico: a compostagem é uma ótima opção!

Há muito tempo, pesquisadores alertam sobre a importância de mudarmos nossos hábitos de produção e consumo para um crescimento mais sustentável do planeta. No Brasil, essa questão é tão necessária que o Governo Federal já implementou até uma Política Nacional de Resíduos Sólidos, que aborda, entre outros, o lixo orgânico, considerado um dos nossos maiores vilões. Segundo dados da Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), o Brasil produz quase 37 milhões de toneladas desse lixo por ano, o que poderia virar biocombustível e energia por meio de processos industriais, mas apenas 1% é reaproveitado. Então como nós, consumidores, podemos ajudar a reduzir essa equação? A resposta é simples: através da compostagem.

Um novo destino para o seu lixo                                                                           

É fato que muitas pessoas — e talvez você seja uma delas — já adotaram práticas saudáveis para aproveitar melhor os alimentos, como o preparo da quantidade necessária para cada refeição e boas práticas de conservação, com o uso do Ziplock da Alpfilm. Mas, ainda assim, descartamos cascas, sementes, bagaços e outros restos de alimentos que não costumam ser aproveitados nas receitas. Esses resíduos, por sua vez, são levados para aterros ou lixões e, ao se decompor, liberam gás metano, que agrava o efeito estufa e, consequentemente, o aquecimento global. Além disso, geram o chorume, um líquido escuro, de odor desagradável e com bactérias que podem contaminar solos e águas.

Por conta disso, o reaproveitamento dos resíduos é, sem dúvida, a melhor opção. E isso pode ser feito por meio da compostagem, um processo de baixo custo capaz de transformar em adubo os resíduos orgânicos que produzimos diariamente, tornando a decomposição dos alimentos saudável para o meio ambiente.

Quais os benefícios da compostagem

Essa é uma técnica sustentável de reciclagem do lixo orgânico porque as cascas, sementes e demais partes descartadas dos alimentos contêm uma série de nutrientes que, na compostagem, são transferidos para a terra. Assim, o solo se torna rico e mais apropriado para o crescimento de novas plantas.

Ela proporciona também outros benefícios, como a prevenção de queimadas e, por sua vez, a poluição do ar; a melhora da drenagem nos solos argilosos e da retenção da água nos solos arenosos; e a redução da necessidade do uso de herbicidas e pesticidas.

Agora que você já sabe como é importante reaproveitar o lixo orgânico, vamos ensinar a desenvolver, passo a passo, um sistema de compostagem rápido e eficiente.

 

Como fazer compostagem caseiras:

1. Separe os materiais

Para realizar a compostagem, você vai precisar de terra seca — pode ser a mesma que usa em vasos de planta —, além de borra de café, esterco e (claro!) resíduos. A proporção de matéria seca em relação à matéria orgânica é de 2 para 1.

Para armazenar tudo isso, recomendamos uma composteira. Caso você não tenha uma, use um recipiente de plástico bem firme, com abertura ampla e tampa (como uma caixa organizadora). Será necessário apenas realizar alguns furos no fundo da caixa, a fim de permitir a troca de gases. 

 

2. Junte tudo

E distribua por camadas! Primeiro, coloque a terra seca, cobrindo todo o fundo. Em seguida, deposite os resíduos picados em pequenos pedaços, para tornar o processo mais rápido e efetivo. Depois, adicione um pouco de esterco, que contém microorganismos desejáveis ao processo por acelerar a decomposição dos resíduos.

Por fim, acrescente a borra de café: ela evita o mau cheiro e afasta moscas, formigas e outros bichos indesejados. Feitas todas as camadas, é só tampar o recipiente e partir para o próximo passo da compostagem.

 

3. Acompanhe 

É muito importante que, a cada 3 dias, você revire um pouco a mistura, a fim de arejar a terra e evitar a acumulação de gases, facilitando o processo de compostagem. É fundamental observar também se há algum líquido vazando. Se for esse o caso, a proporção dos materiais deve ser reajustada, adicionando mais terra seca. O processo está concluído quando se torna mais homogêneo e escuro, com cheiro e aspecto de terra. 

 

Dica essencial!

Para garantir o sucesso da compostagem, tenha cuidado com os alimentos selecionados. Cascas de frutas ou de ovos, sementes, frutas que passaram do ponto e migalhas de pão são alguns exemplos de alimentos bem-vindos. 

Alimentos de origem animal ou que passaram por algum processo artificial, como cozimento ou fritura, não devem ser acrescentados. Isso porque eles podem gerar um cheiro muito forte e, por serem ricos em gordura, tornam o processo de decomposição mais difícil.

Agora que você já descobriu como fazer o próprio adubo por meio da compostagem, que tal aprender a fazer uma mini-horta em sua casa, completando o ciclo de produção e consumo sustentável? Leia a nossa matéria e entenda mais sobre o tema.

Leave a comment